This site uses technical cookies to improve the browsing experience of users and to gather information on the use of the site.
to continue click on OK for more information click on Privacy Policy

AwareuBlog

  • Home
    Home This is where you can find all the blog posts throughout the site.
  • Bloggers
    Bloggers Search for your favorite blogger from this site.
  • Archives
    Archives Contains a list of blog posts that were created previously.

Quando o branco não significa paz

Posted by on in AwarEU BLOG
  • Font size: Larger Smaller
  • Hits: 1671
  • Print

A marcha comemorativa da independência polaca, realizada em Varsóvia no passado dia 11 de Novembro, organizada por grupos de extrema-direita, juntou cerca de 60 000 pessoas, entre as quais nacionalistas extremistas polacos, mas também representantes de grupos fascistas italianos, húngaros e eslovacos, unidos sob o mote “Queremos Deus”, expressão de uma antiga canção religiosa polaca. As palavras de ordem revelaram-se, de forma bastante explícita, racistas e xenófobas, apelando ao renascimento de uma “Europa branca”. O facto de terem estado também presentes cidadãos com pouca ou nenhuma afiliação a grupos nacionalistas ou de extrema-direita é bastante significativo. Haverá uma aceitação tácita do discurso nacionalista radical? Ter-se-ão os cidadãos polacos sentido representados naquelas faixas e bandeiras?

O Presidente Andrzej Duda condenou expressamente o “nacionalismo doentio” exibido pelos participantes, ao contrário de outros membros do seu partido, como o Ministro do Interior, ou o canal público de televisão TVP, que saudaram os manifestantes com admiração pelo patriotismo demonstrado. A Polónia, actualmente governada pelo PiS (Lei e Justiça), um partido populista e nacionalista de direita, que foi já um pilar de unidade da União Europeia, sendo a reeleição de Donald Tusk para a Presidência do Conselho Europeu disso exemplo, é agora um símbolo do crescimento da extrema-direita na Europa. O discurso de Donald Trump na sua recente visita à Polónia, quando apelou à defesa dos valores cristãos e alertou para os “perigos” do Este e do Sul que a Europa enfrenta, ou o apoio que a Rússia tem oferecido a grupos de extrema-direita europeus, unidos na sua hostilidade perante a União Europeia, são exemplos de ingerências políticas que expectavelmente terão encorajado os manifestantes. A desunião do Ocidente na reprovação da ascensão destes movimentos extremistas e a passividade perante as movimentações políticas dos EUA e da Rússia poderá conduzir à erosão acelerada do plácido consenso em que vivemos há décadas.

Todavia, se os cerca de 1400 pedidos de asilo que a Polónia recebeu nos últimos anos não justificam, de forma alguma, o activismo xenófobo e a retórica anti-imigração, num país que é, de resto, bastante monocultural, já a política de fronteiras abertas de Merkel é um problema para muitos alemães. O AfD (Alternativa para a Alemanha), partido da mesma família política da Frente Nacional francesa, do Partido da Liberdade austríaco ou do PVV holandês, beneficiou claramente da hipostasia que a questão dos fluxos migratórios teve nestas últimas eleições. Catapultado para o lugar de segundo maior partido da oposição no Bundestag, o AfD obteve 12,6 % dos votos, depois de uma campanha eleitoral marcada por cartazes e slogans islamofóbicos e misóginos, reminiscentes de um discurso propagandístico nazi que encorajava as mulheres a produzirem crianças alemãs e a celebrar a domesticidade maternal.

No Vision Europe Summit, realizado em Turim nos dias 14 e 15, o debate desenrolou-se em torno do tema da globalização. Fenómenos como o Brexit, o avanço do nacionalismo e a expansão da extrema-direita na Europa não puderam ser evitados. O processo de integração europeia e a globalização serão, talvez, e paradoxalmente, o maior travão e a maior causa de crescimento do nacionalismo na Europa, sendo ambos estes fenómenos percebidos por alguns como corrosivos da economia e da identidade nacional. A perda de soberania e os fluxos migratórios massivos são vistos como descaracterizadores da política e da cultura nacionais. O nacionalismo extremista é também uma reacção à integração europeia. Talvez uma outra integração seja urgente, integração essa que não se fará certamente contra o nacionalismo, uma das faces do nosso liberalismo político desde há duzentos anos, mas incorporando-o, extirpando-o deste carácter xenófobo, racista e perigosamente bélico.

Posted by Maria Teresa Mameda, Universidade NOVA de Lisboa - Lisboa

Last modified on
Rate this blog entry:
1
FaLang translation system by Faboba